Paysandú

Com o passar do tempo este estado diversificou sua oferta turística, tradicionalmente associada as termas. O Rio Queguay incorporou serviços turísticos vinculados ao turismo aventura e a canoagem. A capital sanducera tem, além disso, um tour histórico muito recomendável vinculado a ocupação que a cidade sofreu em 1864.
Termas de Guaviyú

Termas de Guaviyú

As termas de Guaviyú são uma alternativa de água doce que surge a 39 ºC. O complexo, localizado na ruta 3, quilômetro 431,5, conta com piscinas circulares, de diferentes profundidades e temperaturas, para os banhos ao ar livre e outras com jatos para hidromassagens, com água direto da fonte. Também possui uma área de piscinas fechadas e hidromassagens. No terreno existe um amplo espaço de camping. Endereço: ruta 3, km 431,5. Telefone: 4755 2023.

Termas do Almirón

Termas do Almirón

Têm o privilegio de serem as únicas de água salgada existente no país, com extraordinárias propriedades terapêuticas (sulfatos, cloreto, cálcio e magnésio). A água é incolor e seu sabor salgado é apropriado para seu uso medicinal. Endereço: ruta 90, km 85,5. Telefone 4740 2203.

Casa Blanca

Casa Blanca

A 11 quilômetros da cidade se encontra Casa Blanca, povo que mantém a tranquilidade de um lugar aberto ao rio Uruguai e no qual o tempo parece ter se detido. Existe a possibilidade de realizar visitas guiadas pelo povo, o que pode ser coordenado pelo telefone 4722 6220. Um de seus principais atrativos é a capela, que data do século XIX. Também se organizam cavalgadas.

Montes do Queguay

Montes do Queguay

Os campos do Queguay constituem uma área protegida. Esta classificação implica que os recursos naturais que se encontram ali devem ser cuidados e aproveitados. Nesse lugar se unem os rios Queguay Grande e Chico. A zona se estende em umas 20 mil hectares, onde convivem diferentes paisagens. De fato podemos encontrar desde lagoas e banhados até matas ribeirinhas naturais, serras bálticas e bosques. Também tem arbustos, cerros pequenos e Palhares. Estas matas, propostas para integrar o Sistema Nacional de Áreas Protegidas em 2006, foram uma das últimas moradas dos índios charrúas, e ali também viveu a paraguaia Melchora Cuenca, quem foi a esposa do prócer nacional José Gervásio Artigas. Hoje as matas conformam uma zona de bosques e covas com flora e fauna autóctone. Trata-se de uma área especialmente adequada para atividades como trilhas, ecoturismo ou a canoagem pelas águas do rio Queguay. Ademais o lugar tem um atrativo para ser transitado a pé, a cavalo ou em bicicleta. Estes passeios asseguram o desfrute da natureza e o ar fresco.
(www.guichon.com.uy)